terça-feira, 9 de agosto de 2011

Três poemas de amor para Lisboa


CANTIGA DE AMIGO

JOAN ZORRO


   En Lixboa, sobre lo mar
barcas novas mandei lavrar,
   Ai mia senhor velida!

   En Lixboa, sobre lo ler,
barcas novas mandei fazer,
   ai mia senhor velida!

   [B]arcas novas mandei lavrar
e no mar as mandei deitar,
   ai mia senhor velida!

   [B]arcas novas madei fazer
e no mar as mandei meter,
   ai mia senhor velida!




LISBOA

SOPHIA DE MELLO BREYNER ANDRESEN


Digo:
"Lisboa"
Quando atravesso - vinda do sul - o rio
E a cidade a que chego abre-se como se do meu nome nascesse
Abre-se e ergue-se em sua extensão nocturna
Em seu longo luzir de azul e rio
Em seu corpo amontoado de colinas -
Vejo-a melhor porque a digo
Tudo se mostra melhor porque digo
Tudo mostra melhor o seu estar e a sua carência
Porque digo
Lisboa com seu nome de ser e de não-ser
Com seus meandros de espanto insónia e lata
E seu secreto rebrilhar de coisa de teatro
Seu conivente sorrir de intriga e máscara
Enquanto o largo mar a Ocidente se dilata
Lisboa oscilando como uma grande barca
Lisboa cruelmente construída ao longo da sua própria ausência
Digo o nome da cidade
- Digo para ver




POENTES DE LISBOA

MANUEL ALEGRE


Os poentes de Lisboa sabem a
Ocidente
há neles um barco antigo a partir para
o reino ausente.

Os poentes de Lisboa trazem um
sentimento de grande nostalgia
há neles alguém que vem de mar nenhum
carregado de Tejo e de melancolia.

Os poentes de Lisboa são quer se
queira quer não
uma canção partindo-se partindo-se.

Os poentes de Lisboa intensamente
são
o Ocidente.




Mário Cláudio, Nas Nossas Ruas, Ao Anoitecer: Antologia de Poesia sobre Lisboa com um pormenor de uma pintura de Carlos Botelho, Porto, Edições Asa, 2002.

5 comentários:

  1. Cara Leitora,

    Fico contente porque o 'A matéria dos livros' está a andar a um ritmo fantástico.

    É sempre um prazer vir aqui e dar com 'matéria' nova. Ainda bem, fico feliz.

    E que belos poemas aqui colocou hoje. Eu que sou fotógrafa-compulsiva, leio-os e já me estou a imaginar a escolher umas fotos das minhas para ilustrar estas belíssimas palavras sobre 'Lisboa, a bela'.

    Ao fim do dia no Ginjal, de onde se tem a melhor vista de Lisboa, ou em Belém, sente-se o espírito dos poentes e dos navios que atravessam o rio, sente-se a beleza que os nossos poetas tão bem descrevem.

    Bom verão, com belos poentes!

    ResponderEliminar
  2. Muito obrigada pelas suas palavras! São um enorme incentivo!
    Este blogue vai ficar de pousio por uns tempos, pois vou para norte, longe de internet e afins.

    Bom Verão e bons passeios por "Lisboa, a bela" (muito boa expressão)!

    ResponderEliminar
  3. Boas férias.

    Se não vai levar o computador consigo, vou sentir falta do seu diário.

    Mas vou ficar à espera que coleccione (ou colecte) muito material para nos pôr depois ao corrente das suas andanças ou lembranças.

    Divirta-se!

    ResponderEliminar
  4. belissimo o poema de manuel alegre, que arte de combinar o sentido e os sons das palavras

    ResponderEliminar
  5. Ainda bem que gostou! Também considero o Manuel Alegre um grande poeta.

    ResponderEliminar