terça-feira, 6 de setembro de 2011

Taquicardia

Afinal era uma questão de taquicardia!
O coração em palpitações, o pensamento à desfilada, a libido... essa nem se diz! Em todos os sentidos, uma espiral louca, o centro nas raízes do sexo, vibrando em cada célula, ressoando nos mais recônditos lugares do ser, do mundo, derramando-se toda em frustração ardente!
Eis a verdade! Gargalhadas! Riam-se paredes, mirem-me galinhas! Existem provas – os vómitos no ginásio, as tonturas depois da bicicleta, as pulsações a cento e tantos. As doenças que o corpo guarda! As desculpas da carne.
..................................................................................................
..................................................................................................
..................................................................................................
..................................................................................................
..................................................................................................
..................................................................................................
..................................................................................................
..............................................................................
..................................................................................................
Taquicardia, nome não interdito.

2 comentários:

  1. Que vontade de rir que me deu...! Que engraçado!

    Deverei desejar-lhe as melhoras...?

    ResponderEliminar
  2. Olá!

    Pois, não; agradeço, mas não vale a pena. Parafraseando o outro, a hipocondria é coisa que não me assiste. Por enquanto tenho sido abençoada. Com o resto, pois, há sempre uma gargalhada à espreita! É o melhor, não é?

    Um abraço e boas férias, com os seus meninos, em presença ou no coração!

    ResponderEliminar