segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

Tu

Lendo Luísa Dacosta...


APELO

Atravessa os campos da noite
e vem.

A minha pele
ainda cálida de sol
te será margem.

Nas fontes, vivas,
do meu corpo
saciarás a tua sede.

Os ramos dos meus braços
serão sombra rumorejante
ao teu sono, exausto.

Atravessa os campos da noite
e vem.


ROSTO

Nunca vieste
quando o desejo
fazia um entalhe de sofrimento e apelo
na polpa, madura, do dia.

Nunca vieste
quando um golpe de luar
abria ao lado do meu corpo
um lençol, fresco, para acolher-te.

A tua boca não prendeu
a flor dos meus lábios.
Nunca calei no teu beijo
a indizível palavra.

Nunca vieste.

Respirei-te no sonho.
A morte terá o teu rosto desconhecido.



Luísa Dacosta, A Maresia e o Sargaço dos Dias, Porto, Asa, 2002.

2 comentários: