domingo, 12 de fevereiro de 2012

Infidelidades e Compensações

Corpo Recusado, de Luísa Dacosta é um livro belíssimo e terrível. Conta uma história de amor e morte, sob a égide de Tistão e Isolda. Não haverá demoras na descrição desta obra, apenas se dirá que a perpectiva é a de um sujeito feminino, que se olha num espelho múltiplo, cuja superfície reflecte rostos de muitas mulheres. Aqui se apresentam dois excertos do conto "Infidelidades, pulseiras e agências de viagens", que deixam perceber duas formas de "integrar" a traição de "maridos respeitáveis":




"__ ... Compreende-se, depois de todo aquele escândalo, a pobre senhora precisava de se refazer... nada mais justo. Sofreu muito, sim porque tudo transpira e se sabe, são coisas que custam muito a uma mulher séria e então para a compensar, para a ajudar ao perdão, o querido amigo teve este gesto... Soube com certeza que ele já de outra vez, e tinha sido uma aventurazinha sem importância, a levou a Fátima. Mas agora o casamento esteve por um triz e todo o bicho careta vai a Fátima, impunha-se o estrangeiro. Nada mais justo, nada mais justo. Uma bela viagem com estadia em Londres e Paris... Enfim, umas segundas núpcias! Entendo que o querido amigo fez o que devia, tanto mais que é uma reparação que lhe sai em conta. Ah! Não sabia que ele tem facilidades numa agência de viagens?! Pois tem, pois tem, nem de outra maneira podia ser, mas isso não importa, o que importa é o gesto, não acha?" (p. 74)

"[...] No fim da vida, gorda e flácida, era uma montra recheada de pérolas, brilhantes, safirazinhas, rubis, esmeraldas. Não, topázios, não, pois era supersticiosa e davam azar, conforme lhe assegurava a mulher de virtude que a dirigia. As infidelidades do marido encastoadas em ouro de lei ou platina, adornavam-lhe a papada, cobriam-lhe o peito farto e imponente, cingiam-lhe (o doce aperto!) os braços roliços e os dedos papudos. D. Quinhas exibia-as com brio, como medalhas ganhas em combate. Que desforra sair-lhe mais cara do que as amantes!" (p. 75).


Luísa Dacosta, Corpo Recusado, Porto, Figueirinhas, 1984.

Sem comentários:

Enviar um comentário