quarta-feira, 21 de março de 2012

Dia Mundial da Poesia - Safo, Ana Goês e Adélia Prado

Três poemas de amor, das origens aos tempos modernos:

Safo

Ele, tu e eu (fr. 31 PLF)

Aquele parece-me igual aos deuses,
o homem que à tua frente
está sentado e escuta de perto
a tua voz suave

e o teu riso maravilhoso. Na verdade isto
põe-me o coração a palpitar no peito.
Pois quando te olho num relance, já  não
consigo falar:

a língua se me quebrou e um subtil
fogo de imediato se pôs a correr debaixo da pele;
não vejo nada com os olhos, zunem-me
os ouvidos;

o suor escorre-me do corpo e o tremor
me toma toda. Fico mais verde do que a relva
e tenho a impressão de que por pouco
que não morro.

Frederico Lourenço (org, trad. e notas), Poesia Grega: de Álcman a Teócrito, Lisboa, Cotovia, 2006.


Ana Goês

Convida-me só para jantar

E não queiras depois fazer amor.
Convida-me só para jantar
num restaurante sossegado
numa mesa de canto
e fala devagar
e fala devagar
eu quero comer uma sopa quente
não quero comer mariscos
os mariscos atravancam-me o prato
e estou cansada para os afastar
fala assim devagar
devagar
não é preciso dizeres que sou bonita
mas não me fales de economia e de política
fala assim devagar
devagar
deita-me o vinho devagar
quando o meu copo estiver vazio.
Estou convalescente
sou convalescente
não é preciso que o percebas
mas por favor não faças força em mim.
Fala, estás-me a dar de jantar
estás-me a pôr recostada à almofada
estás-me a fazer sorrir ao longe
fala assim devagar
devagar
devagar


Adélia Prado

A meio pau

Queria mais um amor. Escrevi cartas,
remeti pelo correio a copa de uma árvore,
pardais comendo no pé um mamão maduro
- coisa que não dou a qualquer pessoa -
e mais que tudo, taquicardias,
um jeito de pensar com a boca fechada,
os olhos tramando um gosto.
Em vão.
Meu bem não leu, não escreveu,
não disse essa boca é minha.
Outro dia perguntei a meu coração:
o que o que há durão, mal de chagas te comeu?
Não, disse ele: é desprezo de amor.

Vasco Graça Moura, 366 poemas de amor (antologia), Lisboa, Quetzal, 2003.





3 comentários:

  1. Boas escolhas, Leitora.

    Poesia e amor nestes primeiros dias de primavera e que belos e curiosos poemas.

    Um arco poético que percorre os tempos (e com três pontos se define um arco, está certo).

    Um beijinho.

    ResponderEliminar
  2. Ainda bem que gostou.

    Estou expectante em relação à sua história; não tenho muito tempo para me demorar, mas vou lendo com muito gosto e curiosidade o que escreve, e aprendendo sempre!

    Um beijinho

    ResponderEliminar