segunda-feira, 9 de abril de 2012

Leitura de segunda-feira

"Lilias não podia suspeitar de que a brutalidade com que o corpo estremecia à presença do patrão tinha por causa a comoção erótica. Julgou que o receava. E esse receio era de tal maneira sedutor que o decurso dos dias começou a regular-se pela sua espera. Conhecia-lhe os passos muito ao longe, com percepções agudas de animal. Sentia-se febril e tiritava, puxando um grande xale contra o peito. Viciou-se depressa no mal-estar. A voz, o cheiro, o caminhar de Jayme desordenavam-lhe o pulsar do sangue. Não lhe chamava amor, mas percebia que se virava inteiramente para ele, como há flores que se viram para o sol e mais não fazem que o acompanhar."


Hélia Correia, "Lilias Fraser" in António Mega Ferreira, org., O Erotismo na ficção portuguesa do séulo XX, Lisboa, Texto Editores, 2005.

2 comentários:

  1. Texto perfeito. Como descobre textos assim?

    Que bem descrito. Eu que li este livro da Hélia Correia já não tenho ideia de ter lido isto. Que maravilha.

    ResponderEliminar
  2. Foi fácil: a primeira selecção foi de António Mega Ferreira, no livro citado, depois, esta passagem "saltou-me aos olhos". Também a considerei linda e perfeita, certeira na descrição do nascimento do amor ou da paixão (qual seja o nome desse sentir).

    Nunca tinha lido o livro de Hélia Correia, escritora que conheço mal; estou a tentar superar esta falta.

    ResponderEliminar