terça-feira, 5 de junho de 2012

A estranha ausência do Adeus


DURANTE UM EXERCÍCIO DE FILOSOFIA



Para a Beatriz Vieira


Estou aqui sentado na cadeira que
me cabe como professor, a secretária, o estrado
o negro quadro com restos de giz e marcas de
apagador. A ardósia coberta de falhas, pequenas
feridas nas horas de aprendizagem.
Os alunos aí estão à minha frente, quietos e presos
à rapidez da sua escrita ou à
lentidão que faz de outros a extrema hesitação.

[...]

Mas os meus alunos vêm quase todos embrulhados
em kispos, em coisas pardas e tudo sempre se
passa num tom neutro, pedagógico
até que chegue a hora de nos irmos: eu para
viver, eles para viverem e todos para morrer
e como na
Apologia nenhum de nós saberá quem tem
a melhor sorte. Ninguém, excepto
o deus.



João Miguel Fernandes Jorge, A Jornada de Cristóvão de Távora – Segunda Parte, Lisboa, Presença, 1988.

Sem comentários:

Enviar um comentário