terça-feira, 2 de outubro de 2012

ledo engano


Estavas, linda Inês, posta em sossego,
De teus olhos colhendo doce fruito,
Naquele engano da alma, ledo e cego,
Que a Fortuna não deixa durar muito,
Nos saudosos campos do Mondego,
De teus formosos olhos nunca enxuito,
Aos montes ensinando e às ervinhas
O nome que no peito escrito tinhas.


Luís de Camões, Os Lusíadas, Porto, Figueirinhas, 1978 (org. de António José Saraiva).


[Posta em sossego só porque se enganava, que a sua condição era de desassossego sem fim. Tais quimeras só a ela convenciam e às ervinhas, como se sabe.]

2 comentários:

  1. Tempos de desassossego não assumido ou não consentido.

    Tempos de indefinição frente ao espelho.

    Tempos de hesitação, no fundo.

    Ou de meditação.

    ResponderEliminar