terça-feira, 27 de novembro de 2012

pinotes de não, com gin-tonic


[Em vez de palavras elogiosas, ai-ais de a menina não foi lindinha.]


(Google images)
 
 
Esparsa sua ao desconcerto do mundo
 
Os bons vi sempre passar
no mundo graves tormentos;
e, para mais m'espantar,
os maus vi sempre nadar
em mar de contentamentos.
Cuidando alcançar assim
o bem tão mal ordenado,
fui mau; mas fui castigado.
Assim que só para mim
anda o mundo concertado.
 
 
Luís de Camões, Lírica Completa I, Lisboa, INCM, 1986.
 
 
[A imagem segue muito compostinha, muito sereno-delico-doce; venha a garrafa e o bravo poeta, "ou não fosse ele O'Neill"!]
 
 
(Google Images)
 
 
O POEMA POUCO ORIGINAL DO MEDO
 
[...]
 
*
 
 
O medo vai ter tudo
quase tudo
e cada um por seu caminho
havemos todos de chegar
quase todos
a ratos
 
Sim
a ratos


Alexandre O'Neill, Poesias Completas: 1951/1986, Lisboa, INCM, 1990.

Sem comentários:

Enviar um comentário