sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013

Carnaval (palhaços tristes e outras máscaras)


AQUELOUTRO


O dúbio mascarado, o mentiroso
Afinal, que passou a vida incógnito;
o Rei-lua postiço, o falso atónito;
Bem no fundo o covarde rigoroso...

Em vez de Pagem bobo presunçoso...
Sua alma de neve asco de vómito...
Seu ânimo cantado como indómito
Um lacaio invertido e pressuroso...

O sem nervos nem ânsia, o papa-açorda...
(Seu coração talvez movido a corda...)
Apesar dos seus berros ao Ideal,

O corrido, o raimoso, o desleal,
O balofo arrotando Império astral,
O mago sem condão, o Esfinge Gorda...

Mário de Sá-Carneiro, Poesias, Lisboa, ática, 1989.

Sem comentários:

Enviar um comentário