domingo, 10 de fevereiro de 2013

"Chegaste depressa ao outono"*


John William Waterhouse, Vanity


A secretária também pode servir de suporte ao espelho. Lia tranquilamente João Luís Barreto Guimarães, até ser interpelada por este poema: "Auto-retrato (aos quarenta e cinco)". Os versos "Chegaste depressa ao outono", "os ramos nus e incertos da árvore sob a janela/são ossos que reconheces sob a pele", "(dentro da sala de banho escutas o/estalar de ossos ao enrodilhares o corpo/na vastidão da banheira)." provocaram estranheza e inquietação.
Sim, quarenta e cinco (quatro, mais precisamente), mas tão longe de um sentimento de outono ou de ossos a estalarem. Terá andado distraída? Já no outro dia, a propósito de doenças, se assustara com a idade de todos os males, insidiosos horrores em que nunca pensara.
O corpo mostra a incrição do tempo, porém, a idade não será, em grande medida, cosa mentale? Estará a chegar, agora que as palavras dos outros afectam a imagem que de si tinha?


*João Luís Barreto Guimarães, você está aqui, Lisboa, Quetzal, 2013.

2 comentários:

  1. Tenho um grande amigo, divertido, jovial, inteligente, um prazer conversar com ele. É bom um bocado mais velho que eu mas, quando penso nele, penso como se fossemos os dois ainda miúdos. Quando fez anos disse, brincando, 'agora já sou um sexagenário, um daqueles de que, quando são atropelados, se diz "um idoso"' E fartámo-nos de rir porque nem para ele, nem para mim ele era um sexagenário, muito menos um idoso.

    Também almocei esta semana com um amigo meu, ex-colega. Conheci-o quando eu tinha vinte e tal e ele trinta e tal. Tornámo-nos amigos desde então. É um pândego, daqueles que gosta de dizer malandrices, irreverente, um brincalhão. Fisicamente parece-me um puto já quase a deixar de ser puto mas não mais do que isso. Falei o seu aniversário próximo mas incrédula: 'Já vais fazer 61?' e ele desatou-se a rir 'Nem acreditas, não é? Eu também não'.

    Ou seja, é uma cosa mentale, claro que é.

    Quarenta e quatro? Uma menina, não mais do que isso. E deve ser isso que o espelho mostra.

    Um beijinho!

    ResponderEliminar
  2. Obrigada pela simpatia! Menina, é como quem diz, mas de meia-idade não, ainda não. Às vezes sinto-me um pouco anornal no meio de mulheres da minha idade ou pouco mais velhas, mas já com conversas de doenças, teres e haveres, lamentos e tricas...

    Será coisa de indivíduos, que a idade não impede as pessoas de terem ideias e viveza de espírito, como esses seus amigos provam. Devem ser interessantes, assim como a amiga, irreverente e cheia de energia. Continue bem-disposta, que vou tentar!

    Abraço

    ResponderEliminar