terça-feira, 14 de maio de 2013

Happy Days - Emily Dickinson

 
 
On a vintage shelf...

 
 

 
Emily Dickinson, poeta (poetisa) norte-americana, nascida a 10 de Dezembro de 1830, em Amherst, Massachusetts, e falecida na mesma cidade, a 15 de Maio de 1886. Entre estas duas datas poucos factos houve a registar, só os seus poemas brilham , esplendorosos.
 
O livro que agora se lê é de Jorge de Sena, que traduziu magistralmente 80 dos poemas de Dickinson, mas os originais, em inglês, resplandecem mais intensamente. Por exemplo:
 
 
 
A sepal, petal, anda a thorn
Upon a common summer's morn -
A flask of Dew - A Bee or two -
A Breeze - a caper in the trees -
And I'm a Rose!


Sépala, pétala, espinho,
Na vulgar manhã de Verão -
Brilho de orvalho - um abelha ou duas -
Brisa saltando nas árvores -
- E sou uma rosa!


.................


Some Days retired from the rest
In soft distinction lie
The Day that a Companion came
Or was obliged to die
 
 
Alguns Dias dos outros se separaram
Para com distinção adormecer -
O Dia em que um Companheiro chegou
Ou foi forçado a morrer.
 
 
Jorge de Sena, 80 poemas de Emily Dickinson (Tradução e apresentação), Obras Completas de Jorge de Sena, Lisboa, Edições 70, 1979.

2 comentários:

  1. E, por falar em happy days, já agora, se quiser dar uma espreitadela lá pela beira do rio...

    http://ginjalelisboa.blogspot.pt/


    Boas leituras, que esse livro é uma preciosidade!

    ResponderEliminar
  2. É um dos livros que visito de vez em quando. Emily Dickinson tem uma poesia tão luminosa, mas, ao mesmo tempo, tão obscura e acutilante. Inquieta-me e enleva-me.
    C'est l'esthetique de la solitude...

    (Gostei muito das suas palavras, no Ginjal.)

    Um abraço

    ResponderEliminar