quinta-feira, 2 de maio de 2013

Mais penas

CANTIGA ALHEIA

Perdigão perdeu a pena,
no há mal que lhe não venha.

VOLTAS

Perdigão, que o pensamento
subiu em alto lugar,
perde a pena do voar,
ganha a pena do tormento.
Não tem no ar nem no vento
asas com que se sustenha:
não há mal que lhe não venha.

Quis voar a ua alta torre,
mas achou-se desasado;
e, vendo-se depenado,
de puro penado morre.
Se a queixumes se socorre,
lança no fogo mais lenha:
não há mal que lhe não venha.

Luís de Camões, Lírica Completa - I, Lisboa, INCM, 1986.

Sem comentários:

Enviar um comentário