sábado, 2 de novembro de 2013

O mais difícil

 
luminosas palavras de José Tolentino Mendonça no Expresso de hoje:
 
 
"[...] Temos de aprender a estar com os outros quando chegar o seu momento, desenvolvendo capacidades até então negligenciadas. Temos de aprender a cuidar da dor e a minorá-la, mas não só com comprimidos: também com o coração, com a presença, com os gestos silenciosos, o respeito, com uma expectativa de coragem. Os doentes não estão à procura de indulgência. Temos de aprender a embalar a fragilidade, a dos outros e a nossa própria, ajudar cada um a reencontrar-se com as coisas e com as memórias certas, a não desesperar, a encontrar um fio de sentido no que está a viver, por ínfimo e trémulo que seja. Temos de aprender a ser suporte, temos de querer eficiência técnica mas também compaixão, temos de reconhecer o valor de um sorriso, ainda que imperfeito, em certas horas extremas. À beira do fim há sempre tanta coisa que começa. [...]"
 
 
José Tolentino Mendonça, "que coisa são as nuvens: Aprender a morrer", Expresso (Revista), 2/11/2013.
 

Sem comentários:

Enviar um comentário