quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

Pessoa e a heteronimia

«No quadro dos heterónimos, bem como de toda a escrita ficcional ou ensaística que assinam os nomes de Pessoa, a arquictetura da dissolução ou da multiplicação ou do vácuo do "eu" constitui um dos fios que sempre se encontram. Excepto em Caeiro, e é isso que o torna capaz de ocupar o lugar de Mestre. Ao passo que a consciência de não existir, ou de existir a si mesmo se opondo, atormenta todos os outros, desesperados reflexos sem corpo, em Caeiro encontramos a paz de dizer "eu" e de isso significar, de facto, "eu", sem ambiguidades, sem sonhos e sem fantasmas. É isto que Eduardo Lourenço mostra, aliás, em Pessoa Revisitado, ao referir a vontade que anima Caeiro de regressar "àquele ponto anterior à cisão (2ª ed., 1981: 40).»

Fernando Cabral Martins. «A ciência das imagens». Pessoa's Alberto Caeiro. Portuguese Literary & Cultural Studies 3. Center for Portuguese Studies and Culture. University of Massachusetts Dartmouth: 2000. p. 137.

2 comentários:

  1. O que me trouxe aqui foi o acaso. Procurava algo sobre Alberto Caeiro e encontrei este belo excerto.
    Boa noite.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O acaso e as suas surpresas...

      Fernando Cabral Martins é sempre inspirador na sua leitura de Pessoa, não é?

      Boa noite!

      Eliminar