sábado, 11 de fevereiro de 2017

Literacia mediática e redes sociais

O que é a literacia mediática?

A Comissão Europeia apresenta-nos esta definição de literacia mediática:

«Em geral, define-se literacia mediática como a capacidade de aceder aos media, de compreender e avaliar de modo crítico os diferentes aspectos dos media e dos seus conteúdos e de criar comunicações em diversos contextos. […] As mensagens dos media são conteúdos informativos e criativos incluídos em textos, sons e imagens transmitidos mediante diferentes tipos de comunicação, nomeadamente televisão, cinema, vídeo, sítios Web, rádio, jogos vídeo e comunidades virtuais.» (Comunicação da  Comissão ao Parlamento Europeu, ao Conselho, ao Comité económico e Social Europeu e ao Comité das Regiões - Uma abordagem europeu da literacia mediática no ambiente digital, 2007.)

Na mesma comunicação, incluem-se nesta literacia os meios de comunicação social, as mensagens dos media (conteúdos informativos e criativos, sob a forma de texto, som ou imagem), os canais de distribuição (televisão, cinema, vídeo, sítios da Web, rádio, jogos vídeo, comunidades virtuais), a comunicação comercial (publicidade), obras audiovisuais (cujo acesso é facilitado pelas tecnologias digitais) e ambientes em linha. De tudo, destaco as comunidades virtuais e, por exemplo, o Facebook. Esta rede social potencia a comunicação, tanto pessoal como de trabalho, sendo, portanto, uma mais-valia em termos informativos, comerciais e de acesso a informação e ligação a outras pessoas; mas quem se dará conta da quantidade de dados pessoais de que dispõe e que pode usar, e usa, para fins comerciais da empresa, de segurança ou outros, sempre em detrimento da privacidade?

Segundo Timothy Garton Ash (2017)*, as questões da privacidade e da liberdade nas redes sociais são muito relevantes. Refere a este propósito:

«Se acreditamos que diferentes níveis de privacidade e de exposição pública são essenciais para a riqueza da liberdade de expressão, e quando já tiver sido feito tudo o que é possível pela lei, pela regulamentação e pelas normas tecnológicas e industriais, iremos portanto ter de considerar ainda como é que nessas condições drasticamente alteradas escolhemos falar. [...] [P]odemos refletir sobre como usamos o Facebook e as outras plataformas. Se dominarmos suficientemente as configurações de privacidade para limitarmos com quem partilhamos as coisas, e formos capazes de as remover mais tarde - porventura com a ajuda de algo como os prazos de validade incorporados de Mayer-Schönberger - podemos começar a restaurar as tradicionais limitações de tempo e de espaço que a internet pulverizou. Isso deixa-nos livres para utilizarmos a capacidade que a internet para transcender tempo e espaço quando realmente quisermos [...].» (p. 98)

Têm os utilizadores das mencionadas redes sociais consciência destas questões e literacia mediática e digital suficiente para "escolherem"?


* Timothy Garton Ash. O firme princípio da liberdade. Ler. Inverno de 2016/2017. nº 144.

Sem comentários:

Enviar um comentário