quinta-feira, 11 de abril de 2013

Expansão portuguesa: novas doenças e novas curas

 
 
Germano de Sousa, História da Medicina Portuguesa durante a Expansão,
Lisboa, Temas e Debates/Círculo de Leitores, 2013.
 
"Sou de opinião que a chamada pequena história, a história do quotidiano, a história de uma ciência ou de um determinado sector da sociedade, torna mais percetível e esclarece melhor a grande História. Sou também dos que se honram da sua profissão e, como tal, gosto de investigar e divulgar o seu passado, seguindo aliás, e com humildade, o exemplo maior de notáveis médicos historiadores que desde o século XIX têm abordado aspetos diversos da história da medicina portuguesa ao tempo da Expansão, como Maximiano de Lemos, Luís de Pina, Augusto Silva Carvalho, Ferreira de Mira, Mário Carmona, José de Vasconcelos e Menezes e outros.

Com este livro procurei fazer uma reflexão sobre o que foi a história da atividade médica e assistencial em Portugal e nas terras descobertas durante um período tão intenso e extraordinário da sua história e da história do mundo, época única na qual o nosso país foi um dos principais atores. Por um lado, saber como era ser médico nessa altura, quais eram a sua formação, os seus conhecimentos e a sua prática. Depois, lembrar como foram e como funcionaram os dois principais hospitais reais de então, o Hospital Real de Todos os Santos e o Hospital Real de Goa, e pôr em relevo a visão de governantes como D. João II, D. Manuel I e D. João III e dos seus conselheiros, que precocemente perceberam a necessidade de criar mecanismos de assistência sanitária que acompanhassem o esforço dos Descobrimentos. Por outro lado, dar um panorama do que foi a «medicina e a doença embarcada» e do sofrimento que isso significou para milhares de portugueses que tiveram a coragem de demandar as Índias, o Japão ou os Brasis. Por fim, descobrir e investigar de que forma participaram os médicos e os boticários na Expansão, e relatar as novas doenças existentes ou vindas das novas terras descobertas e em especial o impacte social de uma delas, a sífilis, a mais terrível de todas." (Da Introdução - Contra-capa)
 
 
Gosto de ler o que escrevem os médicos, sejam eles poetas, prosadores ou ensaístas, como é o caso de Germano de Sousa, que nos oferece este livro sobre a medicina portuguesa durante a expansão. São muitos os ensinamentos recolhidos: sobre a vida portuguesa dos séculos XV e XVI, sobre as vicissitudes das viagens e da vida além-mar, sobre os males de que padeciam a população e os mareantes, sobre a descoberta de novas plantas e de outros modos de aliviar o sofrimento, e também sobre as doenças trazidas do novo mundo, com destaque para a Sífilis. É interessante verificar que, ontem como hoje, duas das razões para a desgraça das gentes têm sido a ganância e a incompetência (amiúde resultado do nepotismo e da falta de organização).
É um livro que aprofunda as informações patenteadas na exposição "360º Ciência Descoberta", que contempla igualmente esta área do saber. Destaco, neste sentido, a referência a Garcia da Horta, insigne médico de Goa, autor do livro Coloquios dos Simples e Drogas he Cousas Medicinais da India, e assi Dalgumas Frutas Achadas Nella onde Se Tratam Algumas Cousas Tocantes a Medicina Pratica, e Outras Cousas Boas, pera Saber Compostos pelo Doutor Garcia Dorta: Físico del Rey Nosso Senhor, Vistos pelo Muyto Reverendo Senhr, ho Licenciado Alexos Diaz: Falcam Desembargador da Casa da Supricaçã Inquisidor Nestas Partes.
 

Sem comentários:

Enviar um comentário